Estatuto de auditoria

Finalidade do Comitê

A finalidade do Comitê de Auditoria (o "Comitê") do Conselho de Administração (o "Conselho") da Pitney Bowes Inc. (a "Empresa") é auxiliar o Conselho na supervisão (a) da integridade dos demonstrativos financeiros da Empresa; (b) da conformidade da Empresa com os requisitos legais e regulamentares; (c) da independência e qualificação dos auditores externos da Empresa; (d) do desempenho da função de auditoria interna da Empresa e auditores externos; e (e) da preparação do relatório do Comitê que é exigido pelas regras da Securities and Exchange Commission ("SEC") para ser incluído no relatório anual aos acionistas da Empresa.

Estrutura e Operações do Comitê

O Comitê será composto por no mínimo três diretores com todos os membros do Comitê sendo independentes de acordo com as normas de independência estabelecidas pelo Conselho consistentes com as regulamentações dos estatutos e normas de listagem aplicáveis da Bolsa de Valores de Nova York ("NYSE"). O Conselho nomeará os membros do Comitê anualmente, inclusive um Diretor para atuar como Presidente do Comitê após análise das indicações pelo Comitê de Governança. Na escolha dos membros do Comitê, o Conselho levará em consideração a conformidade com as regras dos estatutos e as normas de listagem aplicáveis da NYSE, inclusive os requisitos de independência. O Conselho determinará que cada membro do Comitê é educado financeiramente, em conformidade com as normas de listagem da NYSE. Pelo menos um membro do Comitê deverá, a critério do Conselho, ser um "especialista financeiro do comitê de auditoria", de acordo com as regras e regulamentos da SEC, e pelo menos um membro (que também pode ser especialista financeiro) deverá, a critério do Conselho, ter experiência em gestão financeira relacionada ou contabilidade de acordo com as normas de listagem da NYSE.

Conforme permitido pelo Regimento Interno Alterado e Consolidado da Empresa, na ausência ou desqualificação de um membro do Comitê, os membros presentes em qualquer reunião e não impedidos de votar se eles constituem ou não um quórum podem nomear, por unanimidade, outro Diretor independente para atuar como membro do Comitê na reunião em lugar de qualquer membro ausente ou desqualificado. Qualquer Diretor independente atuando como membro suplente do Comitê deve cumprir as normas de participação do Comitê, conforme estabelecido acima.

O Comitê se reunirá pelo menos quatro vezes por ano com reuniões adicionais ocorrendo quando julgado necessário ou desejável pelo Comitê ou Presidente do Comitê. A maioria dos membros do Comitê constituirá o quórum para ação.

Deveres e Responsabilidades do Comitê

Estes são os deveres e responsabilidades do Comitê:

1. Ser diretamente responsável em sua função como comitê do Conselho por nomear, contratar, remunerar, supervisionar e exonerar quando apropriado a firma principal de contadores públicos independentes ("Auditores Externos") para auditar os demonstrativos financeiros consolidados da Empresa. Nesse contexto, o Comitê deve avaliar a independência de qualificações e o desempenho dos Auditores Externos, nomeá-los e contratá-los (sujeito à ratificação pelos acionistas da Empresa) e, se necessário, substituir os Auditores Externos. Os Auditores Externos devem se reportar diretamente ao Comitê.

2. Pré-aprovar todos os serviços de auditoria e de não auditoria a ser executados pelo Auditor Externo e estabelecer políticas e procedimentos para a contratação do Auditor Externo para fornecer esses serviços.

3. Obter e avaliar pelo menos anualmente um relatório do Auditor Externo, descrevendo: procedimentos de controle de qualidade interno da empresa; quaisquer problemas relevantes apontados pela avaliação de controle de qualidade interno mais recente ou avaliação semelhante da firma, ou por qualquer inquérito ou investigação de autoridades governamentais ou profissionais, nos últimos cinco anos, respeitando uma ou mais auditorias independentes realizadas pela firma e quaisquer medidas adotadas para lidar com esses problemas.

4. Considerar pelo menos anualmente a independência do Auditor Externo e, consistente com as regras do Conselho de Supervisão de Contabilidade de Empresas Públicas, obter e analisar um relatório do Auditor Externo descrevendo todas as relações entre o Auditor Externo ou de suas afiliadas e a Empresa ou as pessoas em cargos de supervisão financeira relacionados na empresa que possam ser consideradas como respaldadas pela independência e discutir com o Auditor Externo os efeitos potenciais dessas relações em termos de independência.

5. Fazer reuniões para avaliar e discutir com a administração e o Auditor Externo os demonstrativos financeiros anuais auditados e os demonstrativos financeiros trimestrais antes do arquivamento, incluindo a avaliação de divulgações específicas da Empresa em "Discussão e Análise das Condições Financeiras e dos Resultados das Operações pela Administração" e as questões que devem ser avaliadas pelas normas regulamentares legais aplicáveis ou pelos requisitos da NYSE.

6. Discutir com a administração e os Auditores Externos e avaliar todos os problemas relacionados às práticas dos princípios contábeis e decisões tomadas no âmbito da preparação dos demonstrativos financeiros da Empresa. Avaliar um relatório dos Auditores Externos sobre todas as políticas contábeis essenciais a serem usadas nos demonstrativos financeiros da Empresa, incluindo alterações significativas. Avaliar problemas importantes quanto à adequação dos controles internos da Empresa e eventuais medidas de auditoria especiais adotadas à luz das deficiências de controle relevantes. Avaliar o efeito de iniciativas regulamentares e contábeis, bem como estruturas de planilhas fora do balanço nos demonstrativos financeiros da Empresa. Os Auditores Externos também devem comunicar ao Comitê quaisquer outras comunicações escritas relevantes com a administração.

7. Discutir os comunicados de ganhos à imprensa, bem como informações financeiras e diretrizes sobre ganhos fornecidas a analistas e agências de classificação.

8. Recomendar ao Conselho que os demonstrativos financeiros devem ser incluídos no relatório anual no Formulário 10-K.

9. Avaliar com os Auditores Externos quaisquer problemas ou dificuldades de auditoria e a resposta da administração.

10. Avaliar políticas e processos com relação à identificação, avaliação e gestão de riscos.

11. Supervisionar a atenuação de Riscos Corporativos específicos, conforme designado pelo Comitê de Governança e aprovado pelo Conselho de Administração entre os identificados pelo Comitê de Controle de Risco da Empresa e comunicado ao Comitê de Auditoria.

12. Fazer reuniões separadas e periódicas com a administração do chefe de auditoria interna da Empresa (o "Auditor Geral") e com os Auditores Externos.

13. Avaliar e aprovar periodicamente (pelo menos anualmente) a organização de auditoria interna e os objetivos e escopo da função e dos exames de auditoria interna, incluindo a análise e aprovação da nomeação do Auditor Geral.

14. Avaliar relatórios periódicos da administração que avaliam a eficácia dos controles e procedimentos internos da Empresa para a elaboração de relatórios financeiros, incluindo relatórios sobre (a) todas as deficiências significativas ou pontos fracos relevantes no projeto ou na operação dos controles internos, incluindo quaisquer medidas corretivas e (b) qualquer fraude material ou não que envolva a administração ou outros funcionários que tenham um papel significativo nos controles internos.

15. Estabelecer procedimentos relacionados (a) à retenção de recibos e tratamento de reclamações relacionadas aos controles da contabilidade interna da Empresa e questões de auditoria e (b) ao envio confidencial e anônimo de reclamações por funcionários da Empresa em relação assuntos de contabilidade ou auditoria questionáveis.

16. Definir políticas para a contratação de funcionários ou ex-funcionários do Auditor Externo.

17. Avaliar periodicamente (pelo menos uma vez ao ano) o estatuto do Comitê e recomendar ao Comitê de Governança quaisquer mudanças propostas ao estatuto.

18. Avaliar anualmente o desempenho do Comitê de suas responsabilidades e relatar essa avaliação ao Conselho.

Relatórios do Comitê

O Comitê deverá gerar os seguintes relatórios e fornecê-los ao Conselho:

1. Um Relatório anual do Comitê de Auditoria para inclusão no relatório anual aos acionistas da Empresa, em conformidade com as regras e regulamentos aplicáveis.

2. Uma avaliação anual do desempenho do Comitê. A avaliação do desempenho também deve recomendar ao Comitê de Governança se são consideradas necessárias ou desejáveis quaisquer melhorias a este estatuto. A avaliação do desempenho pelo Comitê deve ser conduzida da maneira que o Comitê julgar apropriada. O relatório para o Conselho pode tomar a forma de relatório oral pelo Presidente do Comitê ou qualquer outro membro do Comitê designado pelo próprio Comitê para criar esse relatório.

3. Um resumo das providências tomadas em cada reunião do Comitê, que será apresentado pelo Presidente do Comitê ao Conselho na próxima reunião do Conselho.

Recursos e Autoridade do Comitê

O Comitê deverá receber recursos e financiamento adequados, conforme determinado pelo Comitê, para cumprir suas responsabilidades.

O Comitê terá autoridade para nomear e contratar advogados externos e outros assessores no Comitê, a seu exclusivo critério, conforme julgar apropriado. O Comitê terá autoridade exclusiva para aprovar os termos de tal retenção e as taxas a serem pagas.

O Comitê terá acesso direto aos Auditores Externos, ao Auditor Geral e ao Conselho Geral, cada um deles também tendo acesso direto aos membros do Comitê de Auditoria.

Vigente em setembro de 2013